Tuesday, August 29, 2006

Iniciação


NÃO DORMES sob os ciprestes,
Pois não há sono no mundo.
O corpo é a sombra das vestes
Que encobrem teu ser profundo.

Vem a noite, que é a morte,
E a sombra acabou sem ser.
Vais na noite só recorte,
Igual a ti sem querer.

Mas na Estalagem do Assombro
Tiram-te os Anjos a capa:
Segues sem capa no ombro,
Com o pouco que te tapa.

Então Arcanjos da Estrada
Despem-te e deixam-te nu.
Não tens vestes, não tens nada:
Tens só teu corpo, que és tu.

Por fim, na funda caverna,
Os Deuses despem-te mais.
Teu corpo cessa, alma externa,
Mas vês que são teus iguais.

.................................................

A sombra das tuas vestes
Ficou entre nós na Sorte.
Não 'stás morto, entre ciprestes.
Neófito, não há morte.


Fernado Pessoa


Deu-me para isto!! looool


2 comments:

Anonymous said...

(...)
Quando descobri que estavas em minha vida
Ah esse amor que chega a doer de tanta saudade
Que anseia em seus braços um dia ser aconchegada
Que sonha com seu rosto um dia acariciar
Em teu corpo os delírios do prazer sentir
E o seu coração com o meu amor seduzir!

Ah esse amor..., esse amor...
Que deixa meu corpo em brasas
Quando em sonho muitas vezes acordada
Sinto o seu corpo sobre o meu, e
Assim por ti estar sendo amada
O que seria de mim se não sonhasse!
(...)

gustei du teu poema d F.P i sei k este post nao tem na haver mas é uma parte de um poema k eu gostu i k keria partilhar ctg...espero k gostes...
um beijo fofa...
*Y....

******************

sérgio alcântara said...

Um dos poemas mais belos de Fernando Pessoa...excelente escolha

New Moon Movie Countdown - Twilight Saga

 

Free Blog Counter