Saturday, September 23, 2006

Para os nascidos antes de 1986

De acordo com os reguladores e burocratas de hoje, todos nós que nascemos nos anos 60, 70 e princípio de 80 não devíamos ter sobrevivido até hoje, porque as nossas caminhas de bebé eram pintadas com cores bonitas em tinta á base de chumbo que nós muitas vezes lambíamos e mordíamos. Não tínhamos frascos de medicamento com tampas "á prova de crianças" ou fechos nos armários e podíamos brincar com as panelas.
Quando andávamos de bicicleta, não usávamos capacetes.
Quando éramos pequenos viajávamos em carros sem cintos e airbags - viajar á frente era um bónus.
Bebíamos água da mangueira do jardim e não da
garrafa e sabia bem.
Comíamos batatas fritas, pão com manteiga e bebíamos gasosa com açúcar, mas nunca engordávamos porque estávamos sempre a brincar lá fora.
Partilhávamos garrafas e copos com os amigos e nunca morremos disso.
Passávamos horas a fazer carrinhos de rolamentos e depois andávamos a grande velocidade pelo monte abaixo, para só depois nos lembrarmos que esquecemos de montar uns travões. Depois de acabarmos num silvado aprendíamos.
Saímos de casa de manhã e brincávamos o dia todo, desde que
estivéssemos em casa antes de escurecer. Estávamos incontactáveis e ninguém se importava com isso.
Não tínhamos Play Station, X Box. Nada de 40 canais de televisão,
filmes de vídeo, home cinema, telemóveis, computadores, DVD, Chat na Internet.
Tínhamos amigos e se os quiséssemos encontrar íamos á rua.
Jogávamos ao elástico e á barra e a bola até doía!
Caíamos das árvores, cortávamo-nos, e até partíamos ossos mas sempre sem processos em tribunal.
Havia lutas com punhos mas sem sermos processados.
Batíamos ás portas de vizinhos e fugíamos e tínhamos mesmo medo de
sermos apanhados.
Íamos a pé para casa dos amigos.
Acreditem ou não íamos a pé para
a escola; não esperávamos que a mamã ou o papá nos levassem.
Criávamos jogos com paus e bolas.
Se infringíssemos a lei era impensável os nossos pais nos safarem,
eles estavam do lado da lei. Esta geração produziu os melhores
inventores e desenrascados de sempre.
Os últimos 50 anos têm sido uma explosão de inovação e ideias novas.
Tínhamos liberdade, fracasso, sucesso e responsabilidade e aprendemos a lidar com tudo.
És um deles? Parabéns!
Passa esta mensagem a outros que tiveram a sorte de crescer como verdadeiras crianças, antes dos advogados e governos regularem as nossas vidas, "para nosso bem".
Para todos os outros que não têm idade suficiente
pensei que gostassem de ler acerca de nós.
Isto meus amigos é surpreendentemente medonho ... e talvez ponha um sorriso nos vossos lábios.
A maioria dos estudantes que estão nas universidades hoje nasceram
em 1986...chamam-se jovens.
Nunca ouviram "we are the world" e "Uptown girl"
conhecem de Westlife e não Billy Joel.
Nunca ouviram falar de Rick Astley, Banarama ou Belinda Carlisle.
Para eles sempre houve uma Alemanha e um Vietname.
A SIDA sempre existiu.
Os CD's sempre existiram.
O Michael Jackson sempre foi branco.
Para eles o John Travolta sempre foi redondo e não conseguem imaginar que aquele gordo fosse um dia deus da dança.
Acreditam que Missão Impossivel e Anjos de Charlie são filmes do ano passado.
Não conseguem imaginar a vida sem computadores.
Não acreditam que houve televisão a preto e branco.

Agora vamos ver se estamos a ficar velhos:
1.. Entendes o que está escrito acima e sorris
2.. Precisas de dormir mais depois de uma noitada
3.. Os teus amigos estão casados ou a casar
4.. Surpreende-te ver crianças tão á vontade com computadores
5.. Abanas a cabeça ao ver adolescentes com telemóveis
6.. Lembras-te da
Gabriela (a primeira vez)
7.. Encontras amigos e falas dos bons velhos tempos


SIM ESTÁS A FICAR VELHO!!


E agora para os mais saudosistas aqui fica este link...
Ja dei mtas gargalhadas e
tb ja me vieram as lagrimas aos olhos a ver isto!!!!
Divirtam-se!

http://www.misteriojuvenil.com/

Monday, September 18, 2006

Sonho

Não sei quem sou neste momento.
Durmo sentindo-me. Na hora calma
Meu pensamento esquece o pensamento,

Minha alma não tem alma.

Se existo, é um erro eu o saber. Se acordo
Parece que erro. Sinto que não sei.
Nada quero nem tenho nem recordo.

Não tenho ser nem lei.

Lapso da consciência entre ilusões,
Fantasmas me limitam e me contêm.
Dorme insciente de alheios corações,

Coração de ninguém.

By F.P.

É estranho verificarmos o processo de conhecimento á distancia...


Mais estranho ainda quando ele se processa dentro de nós e o vemos de fora , como se fosse com alguem que nunca vimos antes...

É so surpresa! Umas boas outras más...Mas tudo é importante e faz falta...

O medo...
















Como é que se perde o medo da entrega? Quando tudo parece um nevoeiro á tua volta?

Wednesday, September 13, 2006

Goddess of Sodomy


Come forth, the goddess of sodomy.
My body is the source of pain, bow.
Worship me.......And suck my soul.
Every single hole in you is mine, so now.
Obey.........
Deep inside, you feel me pulsate.
More and more and more.
I hear you groan, you want me inside.
Again, again, again, again......
You give me pleasure, I offer you pain.
The highest level of ecstasy, sexually insane.
Behind my mask of pretending, I hide.
In my dominion of pain.....
I am your god, I am your believes.
I control your desire, with my godlike white salted wine.
Behind my mask of pretending, I hide.
In my dominion of pain.....
I am the way to the land of your pleasure.
I am the way to your eternal lust......


[Music by Lord Ahriman. Lyrics by Emperor Magus Caligula]



Porque tenho a sorte de conhecer pessoas que nunca se importam de me ensinar coisas novas...
Obrigada S.

By the way esta é a letra d uma musica dos Dark Funeral

Tuesday, September 12, 2006

Noites de Insónia I


Imagino-me num sítio qualquer perdido no centro de Portugal, a tua espera.

Olho para o lado e vejo-te a observar-me há algum tempo

Não sei bem, há quanto tempo ali estavas…

Mas definitivamente, estavas a tentar visualizar o meu corpo nu em cima de ti, a ver como as minhas mãos tocam no meu cabelo e a forma como eu seguro o cigarro

Entravas num quarto de um motel duvidoso, no número recebido sms ,olhavas para trás antes de entrares na escuridão e vias-me ao longe, a seguir-te com olhar

Não sabes se seguirei ou não. Se entrarei ou não. Se serei eu ou outro

Estás só … isolada, à espera...

O tempo passa... sentada na cama esperas... e esperas...

Eu fora da janela vejo-te a esperar e desesperar, faço prolongar o teu desejo, a tua entrega...

Quando entro tremes... de medo? De alívio? De tesão certamente…

Entras no quarto e eu levanto-me, sem saber bem o q fazer com as mãos de tão nervosa q estou.

Olho bem para ti e tu olhas bem para mim…

Olho para a tua boca e baixo o queixo e observo o teu corpo vestido

Tu sem uma palavra

Observas cada canto do meu corpo, olhas-me nos olhos com uma intensidade brutal

Eu vejo o volume do teu sexo a aumentar dentro das calças

E tu sabes q eu já estou completamente húmida

Aproximamo-nos

Sentimos o cheiro um do outro mesmo á distancia

Encostas-me contra a parede, olhamos mais uma vez um para o outro e beijamo-nos com uma fúria brutal

Sinto os meus lábios a arderem da intensidade, da força do beijo

Levantas-me as mãos para cima e baixas-te por um instante só para eu sentir o volume do teu sexo no meu.

Abres-me as pernas com uma perna tua e soltas-me uma mão para m tocares e apertares enquanto eu t passo a mão no sexo.

Estamos bem encostados contra a parede e tu reparas q eu trago a minha cueca de vinyl e o meu soutien também.

Olhas com surpresa para mim

E eu olho-te com ar d quem t quer foder muito e JÀ!!!

Atiras-me para cima da cama….

Aproximo-me de ti, deitada na cama, pernas abertas, sexo semi-exposto por trás do vinyl

Sinto a percorreres o meu corpo com o teu olhar, parando no meu sexo...

E sento-me no cadeirão ao lado da cama, olhando-te...

Puxo um cigarro, acendo... sinto o cheiro do teu sexo nos dedos cada vez que o levo a boca

Tu olhas-me sem saber o que fazer, com ar de quem me quer foder muito e o mais rápido possível

Tentas aproximar-te...

Empurro-te só com uma mão e cais de costas na cama

Tentas tocar-te, provocando-me e eu apenas digo "não"

Olhas-me desafiadora…

Percorres as coxas, a barriga, evitando o sexo...

Vês que te quero pelo latejar do meu sexo dentro das calças

Quando tocas no teu sexo levanto-me bruscamente e a pele da tua perna estala sob a minha mão

Continuas... quem sabe tirando mais prazer da palmada ou dos dedos...

Tiro o chicote do casaco e pouso-o sobre a cama

Vês nos meus olhos que estou sério e paras...

Sento-me de novo e acabo de fumar, olhando-te cheio de tesão de alto a baixo

Vendo o teu sexo brilhar

O teu peito arfar...

Abro a braguilha e tiro o sexo para fora

Secamente

Percebes imediatamente o que quero

Vens a correr, como uma cadela bem ensinada e ajoelhas-te, sentindo o meu cheiro a entrar por ti

Olhas-me, e com a ponta da língua sentes o meu sabor

Enquanto me olhas

Sinto teu sabor na minha língua

Primeiro só na ponta da língua

Depois percorro a tua glande com a minha língua, e olho bem para ti enquanto o faço, depois seguro na base, enquanto olho o meu objecto d desejo…

Depois lambo-o todo com aponta da língua da base ate á glande

Olho para ti

Toco-te nos tomates

Lambo-tos

Aperto devagarinho

Tu encostas-te no cadeirão e olhas para mim a acabar d fumar o cigarro

Então eu coloco todo o teu sexo na minha boca húmida e ávida , começo a baixar mais a cabeça a enterrar mais o teu sexo na minha boca … engasgo-me e tiro…

A tua barriga treme d prazer

E vejo na tua cara, estás a gostar, eu sei…

Contínuo a mete-lo e a chupa-lo … vagarosamente … com calma

Dando toda a minha boca ao teu membro, a minha língua, a minha saliva e olho para ti

Ergues-te

E apertas-me um mamilo…

Aperto, puxo e tu sobes ficando os dois de pé, deixo as calças cair, pego-te pelos pulsos e empurro-te pelo quarto contra a cómoda.

Sentes o rebordo no teu rabo quando embates contra ela e sabes que ficará marca

Sentes o meu sexo nu e molhado na tua barriga

Queres tocar-me mas tenho-te presa e abro os teus braços

As tuas mamas sobem, empinam-se contra o meu peito ainda vestido

Beijo a tua boca que ainda sabe ao meu sexo, violentamente...

Chupo-te a língua, mordo-te os lábios

Puxo-te para mim, espremo-te contra a cómoda até parares de te tentar soltar

Aí solto-te, pego-te sob as nádegas e levanto-te, sento-te elevada, perto do meu sexo

Deixo a ponta tocar no teu sexo entreaberto

Forço um, dois centímetros dentro de ti, o suficiente para te fazer suspirar

Não aguentas e atiras todo o teu corpo contra mim, agarras-me pelos ombros e lanças-te contra mim, ventre contra ventre, e o meu sexo desliza de uma só vez para dentro de ti, nesse impulso que não controlaste

A violência é tal que os meus tomates batem no teu rabo... já molhado... já escorre...

Olho-te nos olhos, retiro-me quase todo...

Agarro-te pelas ancas e enterro-me com mais força ainda, faz-te doer o rabo mesmo sentada

Olho nos teus olhos e vejo-te a revira-los

Torno a faze-lo...

Levo a mão ao teu sexo e depois a tua boca... enfio os dedos dentro dela, bem fundo

Volto a tirar-me de dentro de ti e com a mão passo o meu sexo ao longo do teu, aberto, molhado...

Enterro-me e ao mesmo tempo envolvo-te nos meus braços, ao nível do peito, levantando-te

Ficas apertada contra mim, empalada...

Levo-te assim até à parede contra a qual embatemos violentamente

Ficas completamente presa entre mim e a parede

O meu tronco prende-te, é a tua prisão

Com movimentos de cintura apenas entro e saio de ti

Apenas os teus gritos de prazer se sobrepõem ao barulho que o teu sexo molhado faz...

Sim eu grito

Grito bem perto do teu ouvido

-Fode-me!!!

-Anda vá fode-me com força!!!!

E grito e puxo-te o cabelo e gemo alto. Sinto q me rebentas o sexo tal é a violência das tuas entradas

E continuas…

E eu presa a ti, com o meu peito comprimido contra o teu

Venho-me com uma violência, q penso q vou desmaiar

Tu continuas embora eu peça para parares porque m dói o sexo e porque ainda sinto bem forte o titilar do meu clit…

Levas-me na mesma posição para a cama

Lá, sais de mim e mandas-me por de 4 e olhas bem para mim

Ficas a observar o meu suco a escorrer de mim

O meu sexo brilha d tão molhado q está

E então, aproximas-te …

Eu retraio as nádegas porque te sinto

Roças o teu sexo no meu, sem o penetrares

Cospes-me para o ânus e massajas-mo, enquanto eu gemo ainda mais alto

O meu corpo ondula… a pedir o teu

Entras em mim, primeiro devagar, depois retiras-te e voltas a coloca-lo violentamente

Eu baixo todo o meu corpo com o impacto do teu sexo e grito!!!

Estas a aleijar-me e olho para ti com ar suplicante

Isso ainda te excita mais e fodes ainda com mais força

Prendes-me as nádegas a ti com força e não m deixas baixar eu grito: NÂO!!!

Mas tu continuas

Eu aperto os lençóis

O meu ânus ressente-se da entrada de um dedo teu e o meu corpo pára!

Para de novo me mexer…

Agora sem ser preciso as tuas mãos para m impulsionarem contra ti, agora sou eu q te estou a foder de costas

As minhas nádegas batem no teu ventre com sons secos apenas abafados pelos teus gemidos

Aperto-te com o meu sexo faço-te sair de mim sem te tocar, só para t irritar e para q voltes entrar em mim mais uma vez violentamente

Assim o fazes

Eu deliro

E tu estas a ver tudo: os movimentos da minha cabeça, o abanar do meu peito, as minhas carnes a abanarem com o impacto das tuas entradas

Fazes-me vir mais uma vez enquanto me puxas pelo cabelo e eu gemo de dor e prazer

Puxo-te pelo cabelo com força, a tua cabeça acompanha um pouco mas o teu corpo é atirado contra mim

Posso controlar-te assim, fazer-te vir contra mim puxando o cabelo e uso a outra mão para castigar as tuas nádegas

Palmada após palmada ao ritmo do sexo tornam o teu rabo branco em vermelho

Quente...

Não paro enquanto te vens…

Pelo contrário

Embora abrande é cada vez mais violento, mais intenso até me doer o ventre de bater violentamente contra ti

Tu deliras e eu também... sinto-te a tremer

Mas apesar de tu quereres aperto mais no cabelo, quero que te sintas como se tivesses uma rédea

Cuspo nas tuas nádegas vermelhas... sentes-me a escorrer, a refrescar a zona castigada

Eu espalho com a mão sobre ti

Meto a mão entre as tuas mãos e é o teu sexo que sofre a palmada...

Que me deixa a mão encharcada...

O clítoris está exposto de tão aberto está o teu sexo... sinto-o na ponta do dedo

Sinto-o, num dedo... depois em dois... depois aperto suavemente sentindo o teu corpo responder

Brinco contigo

Provocando-te

Acelerando e abrandando para contrariar a tua vontade

Tu queres e tentas empurrar a minha mão contra o teu sexo mas estás de 4 e se tirares uma mão cais

Estás impotente, à minha mercê

Levo a minha mão a boca, sinto o teu sabor

Lambo os dedos

Deixo um molhado e massajo o teu rabo...

Sinto os músculos a contrariem-se a volta dele

Mas a cada estocada minha relaxam e contraem ao mesmo ritmo

Tiro o dedo e levo-o a boca deixo-o mais molhado e volto a meter-te, desta vez mais facilmente

Puxando o teu cabelo não te deixo mexer... estou todo dentro de ti

Enterrado até não haver mais

Os teus sucos já escorrem pelos meus tomates

Tens um dedo enterrado no rabo

E rebolas, tentando mexer-te

Apesar de parado sentes o meu sexo pulsar dentro do teu

Tiro-o lentamente...

Puxando pelo cabelo não te deixo virares-te

Não sabes o que faço

Tens a cabeça baixa, contra o lençol

Meto 2 dedos de uma vez na tua cona

Tiro-os a escorrer

A pingar

Pincelo o teu rego com o teu gozo

Volto a meter o meu pau, todo de uma vez dentro de ti

E um dedo volta para o rabo, mais facilmente desta vez, bem recebido tal é o tesão

O nosso tesão é tão grande

Tens -me presa pelo cabelo

Um dedo no meu rabo e o teu pau bem enterrado dentro d mim

Eu gemo

Escorro

Vês as minhas nádegas bem vermelhas

E lembras-te q gostarias d ver algo mais bem vermelho

Largas-me o cabelo

Deitaste-te na cama e agarras-me pelas ancas e colocas-me em cima de ti

Estas deitado

Eu a montar-te

Vês o meu peito, tão clarinho

Os mamilos tão erectos

Morde-los, aperta-los, puxa-los

Eu tenho as mãos no cabelo

E em cima de ti moimento-me como s fosses um cavalo

Monto-te

Grito e gemo e olho bem para a tua cara

Estas a rebentar d tesão

E por isso mesmo com mais força me mordes o peito

Pões-me as mãos nas nádegas e crias o ritmo, o teu corpo treme

A tua expressão diz-me estas perto

Eu baixo-me e digo ao teu ouvido

Baixinho

-A tua puta vai-se vir contigo…

Tu tremes

Agarras-me com força

Pressionas-me contra ti

Com força e ritmo

E vimo-nos num sonoro e explosivo orgasmo

Continuamos a mexermo-nos

Eu não paro de me mexer em cima de ti

Quero tudo o que tens para mim saio de cima de ti e lambo-te …. Ainda com a glande inchada

E consigo sorver uma última gota

Olhamos um para o outro e descansamos abraçados…

Wednesday, September 06, 2006

Só para quem sabe!!!



Isto é q é coragem!!!
Força meninos!!!!

New Moon Movie Countdown - Twilight Saga

 

Free Blog Counter