Monday, October 30, 2006

Mestre , meu mestre querido!

MESTRE, meu mestre querido!
Coração do meu corpo intelectual e inteiro!
Vida da origem da minha inspiração!
Mestre, que é feito de ti nesta forma de vida?

Não cuidaste se morrerias, se viverias, nem de ti nem de nada,

Alma abstrata e visual até aos ossos,

Atenção maravilhosa ao mundo exterior sempre múltiplo,

Refúgio das saudades de todos os deuses antigos,

Espírito humano de terra materna,

Flor acima do dilúvio da inteligência subjetiva...

Mestre, meu mestre!

Na angústia sensacionista de todos os dias sentidos,

Na mágoa quotidiana das matemáticas de ser,

Eu, escravo de tudo com um pó de todos os ventos,

Ergo as mãos para ti, que estás longe, tão longe de mim!

Meu mestre e meu guia!

A quem nenhuma coisa feriu, nem doeu, nem perturbou,

Seguro como um sol fazendo o seu dia involuntariamente,

Natural como um dia mostrando tudo,

Meu mestre, meu coração não aprendeu a tua serenidade.

Meu coração não aprendeu nada.

Meu coração não é nada,

Meu coração está perdido.

Mestre, só seria como tu se tivesse sido tu.

Que triste a grande hora alegre em que primeiro te ouvi!




By Fernando Pessoa


Este texto é um excerto de uma ode do grande mestre e é dedicado a outro grande poeta portugues Cesário Verde.

É um dos meus preferidos... E acho q é dos melhores textos para se dedicar a um/a Mestre.




Monday, October 16, 2006

Na piscina ...



È curioso ver as voltas que a vida dá.

Eu e a V. conhecemos o L. há imensos anos, desde o tempo em que ele namorou uma amiga nossa. Entretanto acabaram e perdemos o contacto… Diga-se que com mta pena nossa, porque sempre o achamos o máximo. E realmente… O L. é um homem alto, bem jeitoso e com ar de cama incrível. Sabem aquelas pessoas para quem basta olharmos uma vez e percebermos logo que devem ser fantásticos na cama? Pronto ele é assim.

Graças as maravilhas da net, voltamos a encontrarmo-nos e retomar uma amizade que se tinha desvanecido com o tempo…

Ora conversa puxa conversa e a nos encontramos novamente. Engraçado ele veio dizer q sempre se sentiu atraído por ambas…

Aproveitamos a deixa e as conversas descaíram num possível menage á trois

Nenhuma de nos se fez rogada e aceitamos imediatamente, sempre dissemos uma outra que um dia destes havíamos d comer um gajo a meias…

Depois de bem combinadas as coisas, lá nos encontramos os três um dia á noite com a casa da minha amiga vazia… A casa da minha amiga é fantástica, alem de ter uma piscina lindíssima cá fora, tem tb um barbecue e um bar (com direito a maquina de finos e tudoJ)!!! Ora cerveja puxa cerveja e já estávamos aos beijos uns aos outros… Depois a V. lembrou-se de irmos todos para a piscina. Claro que ninguém tinha trazido biquini nem nada q se parecesse e fomos todos nus lá para dentro…

Tiramos a roupa uns aos outros com pressa e tesão… e entramos dentro da piscina... tinha estado um dia lindíssimo e agua ainda estava meia tépida. Embora com os nossos corpos quente do tesão pouco sentimos a diferença d temperatura….

A V. começou então a chegar-se a mim e beijou-me enquanto estava encostada á parede da piscina, é claro que o L. tb se aproximou e começou a beija-la nas costas …

Ficamos então com os nossos corpos juntos com a V. no meio, rapidamente as minhas mãos tocaram no peito da V. e ela tem um peito super meigo e perfeito. O L. tocava-lhe no sexo. E ela tocava-me a mim no sexo… Segredei-lhe então ao ouvido que devíamos começar a tratar dele. E então viramo-nos ambas para ele e beijamo-lo no pescoço … sempre uma de cada lado e fomos descendo as mãos ate ambas o tocarmos. Masturbamo-lo sem pressa… enquanto a V. lhe tocava no caralho eu ia massajando os tomates dele…

E ele gemia, agarrava-nos e prendia-nos contra ele… Segurou então na cabeças da V. e começou a beija-la e ela começou então roçar-se contra ele… Entretanto eu baixei a cabeça para debaixo de agua e comecei a chupa-lo. Cada vez que vinha cá a cima respirar a V. descia e chupava-o ela enquanto ele m beijava a mim e eu me roçava a ele…

Depois de algumas viagens pela tona da água, decidimos sentarmo-nos nas escadas da piscina…

A V. ao meu lado e o L. á nossa frente…

Foi então a vez dele! Desceu mais uns degraus e lambeu a V. enquanto eu tocava no peito dela e a beijava na boca… Rapidamente com todo o tesão a V. veio-se num sonoro gemido bem dentro da minha boca… Era a minha vez agora… O L. separou-me as pernas e afundou a língua dele no meu sexo, lambendo com mestria o meu clit e os meus lábios… A V. entretanto beijava o meu peito farto e metia-me um dedo na boca para eu chupar… Não tardou mto para eu me vir tb com um sonoro gemido… Hummm!!!!

Sentamo-lo então nas escadas e começamos a lambe-lo… uma de cada lado…enquanto uma se entretinha a lamber a glande a outra lambia a base… Depois abocanhei-o com a minha boca sedenta e ela chupava com delicioso gosto os tomates dele… Ainda agora ele diz que era deveras uma visão fantástica…

Imagino;) ….

A V. foi a primeira a sentar-se em cima dele e a monta-lo… primeiro com delicadeza … depois com força e mexia-se tão bem em cima dele que não pude evitar de me masturbar durante a cena… O L. puxou para ele e pediu para me sentar em cima da cara dele, queria lamber-me enquanto a V. o montava… Obviamente o fiz e fiquei de frente para ela… Beijei-a na boca e roçamos os nossos peitos uma na outra … os nossos gemidos erma abafados pela boca uma da outra! Mas não se aguentando mais a V. veio-se mais uma vez… ergueu ao braço para cima e veio-se com uma brutalidade incrível e o L. sempre a lamber-me… E como ele o faz tão bem! Hummm…

Trocamos então de posições e pus-me de 4 deixando o meu sexo bem aberto para ele… E assim ele entrou em mim, e senti todo o seu sexo dentro de mim com força (tal como gosto!) e continuou a movimentar-se agarrando-me pelas ancas e puxando-me conta ele com força e ritmo… A V. ficou de novo excitada e começou a tocar-se bem á minha frente, tirei então as mãos dela e comecei eu a toca-la e o corpo dela tremia a cada entrada minha… Como devem calcular o equilíbrio é complicado quando se esta de 4 e puxei para mais perto de mim e comecei a lambe-la… a chupar o clit dela e acaricia-la com a minha língua… então ela deitou-se debaixo d mim com a cabeça na direcção do meu sexo e começou a lamber-me o clit enquanto eu estava ser penetrada pelo L! Pelos gemidos dele imagino que quando a língua dela não estivesses no meu clit estaria nos tomates dele… Não aguentei mais e vim-me tb eu num sonoro gemido e com tremores no corpo… com a força do orgasmo expulsei-o de mim sem querer … ele avisa que esta quase a vir-se tb.

Ajoelhamo-nos as duas prontamente a espera do suco dele na nossa cara…

E assim foi ele veio-se … Com jorros para as nossas caras e para os nossos peitos… olhamos uma para a outra e beijamo-nos ainda com o esperma dele na nossa boca … lambuzamo-nos todas e esfregamos os nossos peitos um contra o outro para espalhar bem aquele suco divinal…

Cansados mas felizes, seguimos novamente para o centro da piscina e enroscados sentimos um fantásticos post orgasmic chill…

Saímos então e fomos secarmo-nos uns aos outros, com risinho e piadas cúmplices…

Nunca mais tivemos nada assim…

Tão maravilhosamente sexy! Só de nos lembrarmos ficamos logo excitados…

Como devem imaginar não é?

Friday, October 13, 2006

There is a light that never goes out ...






Take me out tonight
Where theres music and theres people
And theyre young and alive
Driving in your car
I never never want to go home
Because I havent got one
Anymore

Take me out tonight
Because I want to see people and i
Want to see life
Driving in your car
Oh, please dont drop me home
Because its not my home, its their
Home, and Im welcome no more

And if a double-decker bus
Crashes into us
To die by your side
Is such a heavenly way to die
And if a ten-ton truck
Kills the both of us
To die by your side
Well, the pleasure - the privilege is mine

Take me out tonight
Take me anywhere, I dont care
I dont care, I dont care
And in the darkened underpass
I thought oh god, my chance has come at last
(but then a strange fear gripped me and i
Just couldnt ask)

Take me out tonight
Oh, take me anywhere, I dont care
I dont care, I dont care
Driving in your car
I never never want to go home
Because I havent got one, da ...
Oh, I havent got one

And if a double-decker bus
Crashes into us
To die by your side
Is such a heavenly way to die
And if a ten-ton truck
Kills the both of us
To die by your side
Well, the pleasure - the privilege is mine

Oh, there is a light and it never goes out
There is a light and it never goes out
There is a light and it never goes out
There is a light and it never goes out
There is a light and it never goes out
There is a light and it never goes out
There is a light and it never goes out
There is a light and it never goes out
There is a light and it never goes out

Wednesday, October 11, 2006

Switcher...


Esta noite resolvi ser minha Dona…

Se sou switcher porque não faze-lo? Ser sub de mim mesma… Ser Domme de mim mesma…

Despi-me vagarosamente em frente ao espelho e sentei-me em frente a este… Olhei-me bem … Observei cada parte do meu corpo como se o estivesse a fazer pela primeira vez… Vi os meus olhos, o meu olhar, o meu ar, a minha expressão…

Fui buscar os meus brinquedos e decidir brincar comigo sem cedências nem limites!

Enrolei uma fita de cabedal no pescoço… Estava pronta para começar…

Coloquei molas nos mamilos e vi com satisfação o meu esgar de dor no espelho…

Depois coloquei molas no sexo e mais uma vez repetiu-se o esgar, num misto de dor e prazer…

Olhei-me mais uma vez ao espelho… os mamilos esticados… o sexo puxado…

A visão deixou-me excitada!

Peguei então no meu strap on e retirei o dildo da cueca… olhei para ele… grande, grosso, negro e imponente… Coloquei-o de uma só vez no meu sexo, enquanto que com uma mão puxava as molas que estavam nos mamilos… A dor não me impediu de dar um gemido bem sonoro… a dor era quase insorputavel… quase… Hummm!

Reparei então que o meu olhar se alterava, para um ar de gozo e satisfação, tal qual aquele que faço quando tenho um sub debaixo dos meus pés…

Olhei então para aquele que eu sabia que ia ser o meu maior desafio da noite… o meu plug de bomba… Olhei, toquei… e apertei a bomba varias vezes para ver bem o tamanho máximo e quantas pressões seriam suficientes para eu ter dor … mas dor mesmo, daquela que não iria conseguir mexer os braços nem as pernas por me sentir tão cheia…

Coloquei-o então dentro de mim… a seco…

A dor de sentir algo no ânus sem preparação foi muita… e bem grande… e mais uma vez não resisti a um sonoro gemido… e lá estavam de novo os mesmos olhos… o mesmo olhar de superioridade…

Comecei então a apertar a bomba… a primeira vez foi boa… agradável… a segunda menos boa… nem por isso menos agradável… a terceira fez a minha cara desfigurar-se…a quarta… hummmm… a quarta foi mesmo muito dolorosa… e lágrimas começaram a correr pela minha face… olhei-me no espelho com ar suplicante e a minha expressão mudou para um ar altivo e soberano como quem diz:”Vá, ainda aguentas mais uma… “

E assim o fiz, apertei a bomba pela quinta vez e quase desmaiava de dor… o dildo que estava no meu sexo quis sair, mas rapidamente o segurei e coloquei mais fundo…

Hummmm…

Fiquei então a observar-me ao espelho…

Longamente…

Vagarosamente…

E vi perdida pela imagem a Domme e a sub…

As duas numa só pessoa…

Em mim…

Monday, October 09, 2006

Cidade linda! Boa gente! Bons copos e mto boas coisinhas ;)

Muita diversão...

E mtos bons momentos... mesmo bons!!!

Aveiro

Saturday, October 07, 2006

Ceder ou não ceder?


Em conversa com uma amiga próxima, ela contou-me de uma coisa que se tinha passado com ela e como ela tinha ficado bastante abalada.

Ela tinha conhecido uma pessoa com quem tinha algumas afinidades, mas desde o início das conversas ficou bastante marcado que o objectivo entre os dois era o sexo. Foi dito logo desde o início sem floreados que era para isso que eles tinham de se encontrar. Não, não era para beber um café e estarem um pouco juntos á conversa, era mesmo para sexo. Sexo puro, sem tabus nem dramas porque ambos pensavam da mesma forma. Ora a meio de tanta conversa (foram quase três semanas á conversa um com outro , sendo que o assunto era quase sempre sexo), acabaram por dizer que tinham outras pessoas. Portanto ele tinha alguém e ela também…

Bem, não se importaram com isso e continuaram a falar de Sexo e de como o fariam quando estivessem juntos.

Passadas então três semanas encontraram-se…

Quando se viram, o tesão foi arrebatador e superior a tudo e todos. Romperam-se, rasgaram-se, lamberam-se e viram-se deitados na cama já descansados…

Depois de alguma conversa ele disse-lhe que não se estava a sentir muito á vontade e pediu-lhe imensas desculpas mas que nunca pensou que se fosse sentir realmente mal depois de ter um caso por fora. Era a primeira vez que ambos traiam as pessoas com quem estavam…

Ele sentiu-se mal e ela sentiu-se furiosa, usada e enganada…

Curiosamente e após algum tempo de reflexão, foi ela que se sentiu mal. É estranho, ele sentiu que algo estava mal, que amava demais a pessoa com quem estava. E ela não o sentiu e no entanto ela sabia que a pessoa com quem estava era realmente a melhor coisa que lhe tinha acontecido, que era um amor daqueles que não acontecem muitas vezes na vida, ela sabia disso e mesmo assim foi…

A vergonha subiu-lhe então ao rosto e ao cérebro…

Como terá sido então possível que ela, tão racional, se tivesse deixado levar pelos seus instintos mais básicos? Esquecendo-se de tudo á sua volta?

Eles falaram um com o outro e pelo que sei ficaram bem, mais ou menos amigos mas nunca mais amantes, eram ambos pessoas apaixonadas e não era um pelo outro.

Mas e então é isso amar?

È isso que deveremos fazer? Não ceder aos instintos?

Tudo bem…

Mas então e quando não o fazemos? Quando nos deixamos arrebatar pelos instintos? Somos animais? OU já não somos então mais merecedores do amor da pessoa que amamos? Ou ainda será que isso quer dizer que já não amamos a outra pessoa?

Grandes reflexões fizemos juntas eu e a minha amiga…

Chegamos a algumas conclusões…

Nenhuma definitiva! Porque nenhum ser humano é definitivo, nos mudamos consoante as experiências que temos, estamos mesmo em mudança e a prova é esta mesmo. Nos nunca pensaríamos desta forma há 5 anos atrás… e Muito provavelmente vamos pensar de outra forma daqui a 5 anos…

E vocês? O que acham?

Deveremos ceder ou não?

E qual das opções é que vai fazer de nos um ser humano melhor?

Wednesday, October 04, 2006

New Moon Movie Countdown - Twilight Saga

 

Free Blog Counter